“Disparar, Pronto, Apontar” vs. “Observar, Escolher, Agir” | Mastering Alchemy

“Disparar, Pronto, Apontar” vs. “Observar, Escolher, Agir” Alguma vez enviou um mail em que no momento em que clicou “Enviar” se apercebeu que não era realmente aquilo que queria dizer e acabou por criar confusão? Bem-vindo ao mundo do “Disparar, Pronto, Apontar.” Acontece em todas os aspectos da vida, relações, negócios, saúde; por todo o lado! É uma forma desajeitada de viver a nossa vida. Porém, podemos escolher outras alternativas.
 
Como é que isto foi acontecer (outra vez)? Uma vez limpa toda a confusão, tendo-se desculpado profundamente e humildemente saído da situação, talvez comece a observar as circunstâncias que a criaram. Se andar com a cassete para trás provavelmente irá perceber que se encontrava fora do campo da neutralidade da quarta dimensão e demasiado na reactiva terceira dimensão. Reagiu a um estímulo exterior de um ponto de vista do futuro/passado, carregado com uma variante emocional de medo. Por outras palavras, surgiu uma situação semelhante a um evento passado que despoletou uma forte emoção negativa e um desejo de que não se voltasse a repetir. E depois dispara. No liceu Ron era tido como um “cromo” até ser considerado “fixe”. Era aquele que os alunos atacavam e maltratavam. Cresceu isolado, nos seus limites e a sentir-se usado pelos outros. Um dia, já adulto e gestor de um negócio de vendas online, recebeu um email de uma cliente nova que despoletou o seu “Atirar, Preparar, Apontar”. Esta cliente elogiava o seu livro e dizia que tinha feito cópias do pdf. e vendido aos seus amigos. O passado do Ron em que ele tinha sido explorado, despoletou, sentindo-se automaticamente atingido. Reagiu instantaneamente para se defender e parar as instâncias futuras do que achava ser uma “gatunice e ataque pessoal”. Respondeu imediatamente de uma forma agressiva e reactiva.
 
Como é que eu posso evitar “Atirar, Preparar, Apontar”?

Observe. Que mais se poderia estar a passar nesta situação? A maior parte das vezes as nossas primeiras suposições, carregadas, estão incorrectas. A grande maioria nem sequer pára para pensar ou dar um passo atrás e observar a situação de uma perspectiva mais alargada. Estamos tão embrenhados em nos protegermos a nós próprios que assumimos o pior (daí o título deste artigo).

Faça a sua pesquisa. Procure esta pessoa na sua base de dados e na internet. Tente perceber-se das suas motivações. Pode vir a descobrir que ela tem bons contactos na rede e que a distribuição até o pode beneficiar a si. Não assuma que todos o querem prejudicar. A maioria dos “transgressores” são curadores e facilitadores e querem partilhar todas as suas novas descobertas com os seus amigos, sejam os amigos a pedir ou não. Acima de tudo pergunte a si próprio: “O que é que despoletou isto em mim?” Atraiu esta situação (é essa safada da Lei da Atracção outra vez), para continuar a trabalhar naquela situação carregada, do passado, e através dela atingir o poder do seu equilíbrio interior? Na realidade tudo isto é sobre você.

Escolha. Páre e escolha intencionalmente duas ou três opções. Não é necessário encontrar já hoje uma resposta para esta situação carregada. Retire-se da situação e use as suas ferramentas para encontrar o seu espaço e voltar à neutralidade. Invista esse momento no seu próprio crescimento, elegância e 1+1=3. Pode ser que encontre uma jóia escondida para ambos. Uma vez identificadas algumas opções de resposta, veja como pode apresentar cada uma da forma mais delicada e neutra. A forma como responder irá demonstrar à outra pessoa quem verdadeiramente você é. E não é o seu desejo vibrar constantemente em Certeza, Presença, Poder e Graciosidade, independentemente do que se estiver a passar à sua volta?

Actue. Espere até se encontrar novamente calmo para agir. Todas as acções tomadas em momentos desequilibrados irão resultar em algo que não vai gostar e que depois vai ter de andar a limpar. Agir pode simplesmente envolver fazer uma pergunta com a finalidade de clarificar uma situação: “Estou tão contente que esteja a gostar do meu livro. Mas estou um pouco confuso. Quer dizer que imprimiu e distribuiu o meu livro e andou a cobrar? Hmmm…não estou a perceber. Será que na sua cópia em pdf os direitos de autor não apareciam impressos? O que é que quer dizer com “vendi”? A maioria das vezes, quando fazemos estas perguntas, apercebemo-nos de que o outro não tem integridade e que está antes a solicitar uma maneira de a obter para se tornar melhor. Quando agimos com “Disparar, Pronto, Apontar”, podemos estar a perder o passo seguinte para o nosso próprio sucesso.

Por Jim Self