As Suas Quatro Faces – Primeira Parte: O Ser Emocional | Mastering Alchemy

Estes corpos são efémeros mas quem os habita é eterno, indestrutível e impenetrável.” - Bhagavad Gita
 
Phillip, Emma, Mendelson e Spatia vivem na mesma casa há muitos anos e continuamente aprendem a viver em conjunto, num ambiente de paz e cooperação.
Todos possuem uma grande força de vontade e têm objectivos bem definidos, paixões, talentos e desejos. A Primavera vai começar e os quatro colegas decidem fazer uma festa. É a situação ideal para cada um dar asas à sua criatividade e genialidade. O desafio é organizar uma grande festa para os convidados permitindo que cada um use a sua criatividade em pleno. Para Mendelson a ideia de boa musica é ter musica clássica a tocar baixinho, uma musica de fundo suave para que os convidados possam falar sobre temas interessantes. A Emma quer por musica que mexa com as emoções e que leve as pessoas a moverem-se e a dançar. O Philip, que tende a dominar, acredita que é importante mostrar aos convidados uma grande variedade e abundância de estilos para mostrar o bom gosto que têm, enquanto a Spatia prefere tudo mais simples. Como se vê, cada um tem a sua própria opinião sobre como organizar a melhor festa. Será que estas quatro personalidades tão diversas se conseguem juntar e organizar uma festa que irá satisfazer cada um, incluindo os convidados?

Todos nós temos estes quatro aspectos individuais e únicos que fazem parte da totalidade do nosso ser. O Ser Emocional, o Ser Mental, o Ser Espiritual e o Ser Físico. Uma Auto-Integração completa requer que os quatro aspectos sejam reconhecidos, satisfeitos e respeitados. Todos precisam de ser apreciados e receber o que necessitam para se tornarem e permanecerem saudáveis. Esta integração trás equilíbrio à nossa vida exterior e interior. Os seres emocional, espiritual, mental e físico são como as pernas de um banco. Se estiverem desequilibradas entre si o banco tomba e qualquer coisa que se ponham em cima cai. Uma festa planeada por um grupo em conflito e desarticulado pode resultar numa situação desconfortável para todos.

Uma pessoa que permite que o seu Ser Emocional domine a sua vida é inconstante e cria dramas e caos sistematicamente. Algo está sempre “errado” com ela. O seu desafio pessoal é neutralidade e foco. Uma pessoa que permite que o seu Ser Mental domine a sua vida pode expressar uma falta de calor humano que impede a criação de amizades ou pode preocupar-se demasiado e focar-se predominantemente no futuro. O seu desafio é o julgamento. Uma pessoa que permite que o seu Ser Físico domine a sua vida pode ser subdesenvolvida a nível mental e emocional, preocupando-se unicamente com o seu corpo. É capaz de adorar tudo o que é material e tornar-se obsessivo ou abatido quando o seu corpo envelhece ou não responde da maneira esperada. O seu desafio é a avareza e a cobiça. A pessoa que se foca essencialmente nos aspectos não-físicos ou espirituais muitas vezes tem dificuldade em perceber como funciona o mundo e como se relacionar com os outros. As necessidades do corpo, da mente e das emoções podem ser negligenciadas e ignoradas. O seu desafio é o isolamento.

Uma outra forma de imaginar estes aspectos é reconhecer que residem nos quatro quadrantes do cérebro. O Dr. Paul MacLean, ex-director do Departmento da Evolução do Cérebro do Instituto Nacional de Saúde Mental dos USA, refere-se ao complexo-R, ou córtex reptiliano, como uma parte do cérebro que se encontra no tronco cerebral. Está relacionada com sobrevivência, território e procriação. Glynda-Lee Hoffmann chama-lhe o “Cérebro Lagarto” no seu livro “The Secret Dowry of Eve”. É onde o Ser Físico vive.

O sistema límbico ou cortex dos mamíferos, está localizado no topo e zona circundante do complexo-R e é a casa do Ser Emocional. A mente racional, ou neocortex, é a conhecida e complexa massa cinzenta. É onde o Ser Mental vive e é o centro de raciocínio da análise e do intelecto. O córtex pré-frontal está localizado imediatamente por trás da testa e é também chamado de lobos frontais. É a casa da nossa intuição ou Ser Espiritual. É a porção do cérebro que a ciência ainda mal descobriu apesar de fazer parte da nossa anatomia humana por mais de 200,000 anos.

Os quatro aspectos são essenciais para uma existência humana plena. Negar ou acentuar um deles cria desequilíbrio no sistema em geral e o banco de quatro pernas cai. Uma maneira eficaz de equilibrar e alinhar estes quatro aspectos é personificá-los. Volte ao jardim de infância e faça-de-conta que estas quatro partes do seu cérebro e personalidades são quatro pessoas que compartem a mesma casa, com contribuições únicas e valiosas para dar. Juntos podem criar a melhor festa alguma vez realizada.

O Cuidado e a Nutrição dos Seus Quatro Seres: O Ser Emocional
Se tentarmos personificar este aspecto poderia ser uma criança jovem e imatura, cujas emoções são bastante evidentes. Imagine uma criança que tem permissão para exprimir à vontade a sua energia-em-movimento, e-moção. Ainda não verbaliza por isso expressa os seus desejos através de sonhos, padrões de comportamento, força e teimosia. Chora, talvez nem sabendo porquê. Ri-se de coisas tolas. Esta criança é volátil e imprevisível. De vez em quando sente-se vulnerável e amorosa com os outros. Por vezes o Ser Emocional (vamos lhe chamar Emma), sente-se incompreendido, abandonado e desrespeitado. A forma de comunicar torna-se muitas vezes excêntrica e não entendida pelos outros. Quando Emma tenta ser ouvida, os Seres Físico e Mental evidenciam-se para a acalmar. A Emma acaba por interiorizar o fogo gerado pela necessidade de ser ouvida e mais cedo ou mais tarde esse fogo latente de energia-em-movimento manifesta-se de formas que levam os outros seres a sentirem-se ainda mais desconfortáveis.

Se o nosso Ser Emocional não tiver liberdade, poderá eventualmente afectar o Ser Físico (Philip – estamos no jardim de infância, lembra-se?), causando-lhe dores e doenças. O Ser Mental (Mendelson) é capaz de se sentir confuso e com falta de clareza mental. Quando esta pequena criança e choramingona se transforma num grande animal furioso e descontrolado, o Mendelson e o Phillip já não podem ignorar o desconforto e têm de deixar Emma contribuir para a festa da casa (a nossa experiencia de vida), da forma que ela quer. Um Ser Emocional saudável e respeitado tem prazer com a seu papel. Eis alguns dos itens que o descrevem:

  1. Todas as emoções – as incitadas pelos estímulos internos e informações e as respostas aos dados e eventos exteriores.
  2. Como nos sentimos connosco próprios de uma forma geral, se gostamos de nós, nos valorizamos e respeitamos.
  3. Os sentimentos de convicção que juntamos às nossas crenças.
  4. A relação vincular pais/filhos.
  5. Emoções íntimas com uma pessoa amada.

Para além de simplesmente reconhecer o seu Ser Emocional e personificá-lo, que mais poderá fazer para ajudar esta parte de si a alinhar-se?

  1. Estabelecer uma linha de comunicação com ela. Falar com ela e descobrir o que o seu Ser Emocional gosta e precisa.
  2. Estimular emoções e observá-las à medida que elas surgem. Ver filmes que evoquem emoções e não apenas aquelas aceites socialmente, tais como tristeza e amor. Alugue um filme que estimule o medo, irritação ou raiva e repare em que parte do seu corpo essa emoção vive. Depois do filme talvez tenha de se separar dele Enraizando o filme das partes do seu corpo que se sentem desconfortáveis usando o Cordão de Enraizamento.
  3. Ao sentir que emoções confortáveis ou desconfortáveis vêm ao de cima, verbalize com alguém (o seu cão também conta), dizendo onde estão e o que são.

Um exemplo de cura do seu Ser Emocional pode ser explicado através da história do Ben. Ben sentia-se frustrado com o seu processo de divórcio de seis anos. Quem olhava para o Ben via uma pessoa de pés assentes no chão, calmo e dócil. Admitia, porém, que podia enfurecer-se de repente e que esse lado o assustava. Sentia que perdia o controle e tinha medo de magoar alguém. Ao usar as suas Ferramentas Energéticas de Fluir a Energia e de Enraizamento, personificou a Emma (o seu ser Emocional), como um dragão feroz a tomar conta do seu tesouro escondido. Ben deu permissão à Emma de existir e se expressar.

Ben falou com a Emma e deixou-a ser quem é. Quando o seu Ser Emocional ouviu um “Olá” e foi reconhecido, passou a poder exprimir-se. Num curto espaço de tempo, através de um processo imaginário fácil, seguro e não ameaçador, o Ben e a Emma passaram a ser amigos. A resistência que o Ben sentia antes e que se revelava em medo e dúvida, desapareceu.

O Ser Emocional de Ben comunica agora com ele através de sensações ligeiras não-dolorosas, principalmente no estômago. Este é o sinal de que as suas emoções se encontram activas e precisam de alguma informação. A consciência reforçada e a apreciação por este seu aspecto abriram-lhe uma porta de comunicação que lhe permite perceber quando se encontra a par ou não do seu caminho. O Ben passou a conseguir identificar uma emoção forte antes desta sair fora do seu controle. A relação com o seu Ser Emocional encontra-se activa, segura, saudável e critativa. Ben repara que agora ri mais e que se pode zangar sem ter vontade de bater em alguém. Durante o nosso trabalho em conjunto, Emma transformou-se de um dragão temeroso para um leão, um Pastor Alemão, um Golden Retriever, à medida que Ben continuava a permitir àquela energia-em-movimento expressar-se.

Também libertou uma grande resistência em relação à sua ex-mulher Suzie. À medida que reconhecia e dava espaço à sua raiva e ressentimento, sem resistência e julgamento, tornou-se desnecessário para Ben exprimir esses sentimentos. Agora apercebe-se das suas flutuações emocionais através de sensações físicas e rigidez no corpo. Em muito pouco tempo a sua ex-mulher entrou em acordo com ele. Ben libertou a resistência e carga que continha, o padrão relacional com a Suzie foi quebrado e ela ficou sem nada a que se opor. Completou os papéis de divórcio rapidamente e encontrou outra relação.

Na Segunda Parte - O Ser Físico

Por Jim Self e Roxane Burnett